Marcelo Mourão


a palavra é pra mim          como o peixe é pra quem pesca          pescador paciente          sempre espera a hora certa



Dança da Vida

buscar felicidade
traçar rotas
ler mapa, bússola
e tudo mais

curupiras delirantes
indo adiante sem ver
pegadas para trás

vidas que seguem

dados que rolam

cartas na manga

defesa em armas

somos quase pássaros

refazendo moradas

olhando pro céu

em busca de asas

 


 

 
 



Outro Habitat
(ao amigo Luiz Fernando Prôa)


mergulho no azul

algas e corais me acalmam:

procuro um canto

anjo atormentado que sou


repouso em mar agitado

busco ar no oceano

esquecer meu tempo e pranto


de peito aberto

em mar aberto

o silêncio me toma


neste mundo

que não é meu

sinto-me em casa


tudo tão familiar

útero quente

que me abraça


flutuo suave

submerso em paz

cercado de vida

bem mais perto de Deus


se queria me perder

me surpreendo
 

neste mergulho

 encontrei a mim mesmo


 




 



Morada

teus olhos ardem em chamas

quase voam

e tropeçam nos meus

quando até pareciam escapar

eu bem que agora entendi!

é febre que vicia e não mata

tudo que há em mim

em ti logo se encaixa

a resposta mora em teus braços:

teu corpo é a minha casa.
 




Amor Nosso

amor nosso

que veio lá dos céus

santificada seja a tua fome

venha a nós o teu cinzel

seja sempre nossa realidade

aqui na terra ou lá no céu

o amor nosso de todo dia

seja maior ainda hoje

abriga em teu manto as nossas vidas

assim como nós dois te abrigamos

quando já parecias perdido

e não deixes terminar a paixão

também
 




A Nova Visão

 

Renasço em teus olhos

em tua mente, em tuas veias

e transpira-me por todos os poros

Renasço em teus olhos

em teu corpo, estômago

e congela-me em teu coração

Renasço em teus olhos

De menino que bem sou

viro homem feito

Produto inacabado do teu amor

Renasço

Revivo

Repenso

e me realizo

Quando relembro

o tempo todo

que nosso tempo só começou

Renasço em teus olhos

Rosto novo

Roupas novas

Mudando agora

Pra não deixar de ser

Tudo aquilo que eu sou

Renasço em teus olhos

e vou aonde você for.


 




 



Tudo Bem

Você se foi
o mundo parou
a fonte secou
o sonho acabou
mas tudo bem
a noite se foi
a vida parou
o leite secou
a festa acabou
mas tudo bem
a felicidade se foi
a música parou
o rio secou
o dinheiro acabou
mas tudo bem
o amigo se foi
a banda parou
o solo secou
o jogo acabou
mas tudo bem
nosso sonho acabou
nossa fonte secou
meu mundo parou
você se foi
mas tudo bem.

 




 


 

Seqüestro Passional
 

a palavra é pra mim

como o peixe é pra quem pesca

pescador paciente

sempre espero a hora certa

 

palavra é bicho do mato

(matreira feito corisco)

um passo em falso

e caímos os dois

no precipício

 

cada palavra escolhida

registra a alma
e não mera caligrafia
 

a palavra vive em mim

é meu sangue e minha sina

 




 


 

Remédios

 

minha emoção é o olhar da noite

é flor desabrochando todo dia

é feito de duas cavidades

uma é tufão

a outra, calmaria

sou o gato-do-mato

solto, sem laço

homem-bomba

palavras, atos e emoções

são o recheio desse explosivo

e eu quero demolir a cidade

fundar uma nova verdade

meu corpo é um relógio

e o coração batendo

move as engrenagens

Leis antigas não trazem felicidade

hoje a noite é meu bálsamo

e eu, poeta, louco, andarilho

sonho com outra vida...

um dia, havemos de amanhecer!

 
 




 


 
Língua de Fora

Que vontade de poder dizer

Tudo o que sinto

Tudo o que vejo

Sem ter nada a perder

Sem perder o ensejo

Que vontade de soltar o verbo

Soltar a bomba e não me esconder

Quantos estilhaços iriam pro ar?

O que iria de fato acontecer?

Que vontade de poder dizer

O que muita gente quer dizer

Mas que evita pra não se comprometer

Que vontade de ajudar o céu a amanhecer!
 




No Universo da Palavra

Se me falares: “-Eu te amo!”, acreditarei.

Mas se escreveres,

Maior ainda será a força da minha crença.

Se me disseres: “-Sinto tua falta!”, acreditarei.

Mas se escreveres sobre essa saudade,

eu sentirei toda a intensidade dela.

Se me falares: “-Quero muito você!”, acreditarei.

Mas se escreveres sobre o vigor desse desejo,

saberei como me preparar para ti.

As palavras libertam, cativam, surpreendem

As palavras congelam em papéis

atos, momentos, pensamentos.

Denunciam amores, invejas, loucuras,

medos, incertezas, tormentos.

As palavras são tão fortes

que vencem até a morte.

Escrever é digerir com a alma

os aromas que a vida exala

Quem escreve constrói uma casa,

mas quem lê é quem vai habitá-la.

 




Mistura

meu coração

teu coração

olho no olho

boca na boca

 

tua alma

minha alma

soma perfeita

chance mágica

 

tudo é permitido

quando cessam

- em nós –

as amarras

 

meu corpo

teu corpo

tudo nosso

tudo meu em ti deságua

 

e me vejo estampado

em teu rosto,

sangue, sonho

alma.
 

 




 


 

Sesmaria

vem

boca, seios e sonhos

armada de amor,

paixão e fogo

me faz renascer

menino e louco

e feliz pra você

vem

que em mim

semeaste uma alcatéia de doidos

serpentes de paixão

circulando famintas, insones

à procura desse pão

que só há nas capitanias do teu corpo

vem

sinto-me infeliz nesse jogo

sinto-me tão solto,

cego, perdido,sou tão pouco!

tudo que toco fica torto

murcha, morre, fica oco

o céu não exala, é insosso.

e eu procuro estrelas

mas só encontro fogo morto.

 
 




 



O que Sobra

nascimento e morte

vida e morte

amor e morte

 

o nascimento

a vida

a morte

tudo é transitório

tudo passa por nós

 

o nascimento se vai

a vida se vai

a morte chega

e não volta atrás

 

amigos

parentes

pais

tudo se perde

tudo se esvai

 

o nascimento chega

a vida ensina

a morte leva

e o amor segue seu rumo

seja nessa

ou em outras terras

pra dizer a verdade

o amor não se perde

o amor se aglomera.
 


Se você gostou indique o endereço: www.almadepoeta.com/marcelo_mourao.htm
Ou envie seu comentário para o e-mail do autor:
professormarcelo@ig.com.br
Mais do autor em:
www.almadepoeta.com/marcelomourao.htm


Tenha sua Página Pessoal no Alma de Poeta


Clique na imagem acima.


home    galeria de arte    poetas em destaque    poetas 3x4    poetas imortais    colunistas    cinema    concursos

páginas pessoais     agenda poética     poetas no You Tube      fala poesia      entrevistas      histórico

Clique e entre


Seu site de poesia, arte e algo mais...


©Copyright 2000/2011 by Luiz Fernando Prôa

25/05/2008