Gladis  
        Lacerda
 

 
    

 


 

Que pena, meu amor,    Eu não provei seu beijo,    Você não matou o meu desejo,    Eu não consegui ser feliz    Só porque você não quis.   Mas, nessa história, meu amor,   Um de nós dois perdeu.   E tenho a forte sensação   Que não fui eu...


 



Amor


Quem diria? No apagar das luzes
Eu sentir esse amor em minha vida
Logo agora que resta tão pouco
Tão próxima está minha partida!

E é um amor tão grande, tão grande
Que chega até a machucar meu peito
Às vezes até custo acreditar
Que nesta idade ainda se ame desse jeito.

Às vezes tento imaginar
Esse amor sendo correspondido
Que bom se fosse verdade
Que ele também me amasse

Com a mesma intensidade
E quisesse só a mim
Ficar comigo até o fim
Que não deve estar distante

Mas se isto fosse verdade
Eu sei Deus permitiria
Que um instante fosse um dia
E um dia a eternidade
 


as suas mãos           nas minhas costas            descendo até os quadris...             quando então você me encosta              se não morro           é por um triz...



Aquele navio

Estava sentada, na tarde de estio,
Na beira da praia, olhando pro mar...
Ao longe avistei um enorme navio
E no encantamento me pus a cismar:

Que lindo navio!... Que histórias contém?...
Os seus passageiros, felizes serão?...
Que mares cruzou?... De que porto provém?...
Pra onde ele vai?... Que sutil sedução..

Que linda viagem minh'alma advinha...
Por que não partir e viver a ventura?...
Rever minha vida tão triste e sozinha
Há tanto sonhada, de amar com loucura...

Naquele navio... viajar sem destino...
Sair do meu mundo que é tão pequenino...

 




Decisão


Pelo seu jeito de chegar
Já sei o que veio buscar.
Desiste, meu amor, pois desta vez
Uma nova mulher você vai encontrar.

Foram tantas idas e voltas
Que eu já pressinto o tormento
Mas desta vez vai mudar,
Você não vai me ver chorar
E nem vai ouvir meu lamento.

E sabe por que, meu amor?
Eu aprendi a viver.
Sei que a vida sem você
É bem mais tranqüila e calma.

Não vou infernizar minh'alma
Com esse amor tão incerto,
E viver sempre na angústia
De não ter você por perto.

Você chegou? Pode ficar.
Você conhece o lugar.
Se ajeita por ai
Pois desta vez
Sou eu que vou sair.


                        



Idade madura


Um dia alguém acorda para a vida,
Vê-se sozinha e sente solidão,
Alma vazia a ilusão perdida
No fundo inerme do seu coração...

Sai pela estrada a procurar guarida,
Ouve de muitos retumbante "não",
Reclama e chora, mas é destemida
E encontra o alento em nova devoção.

Ao lado de outro alguém, da mesma idade,
Percorre o rumo da felicidade
Para esquecerem, ambos, a carência.

E lá se vão os dois por este mundo
De mãos unidas num viver fecundo
Colhendo o doce fruto da existência.


Você só quer pegar meu braço?             Que fracasso!              E eu que pra nós dois          tinha outro plano.



E a vida continua...


E tem também as histórias
De amores frustrados...
De tesões podados...
De felicidade adiada
Ou nunca encontrada!...

A gente curtindo uma ilusão
E o "destino" dizendo: Não.
Mas a gente continua a viver
E segue em frente
Fazendo a vida acontecer!...

E vai por ai fazendo poesia
Parece que não
Mas sempre alivia!...




Loucura


Quero fazer amor com você
Se não puder faço sexo.
Mas, se não der
Topo qualquer sacanagem
Mas quero você na cama
Ou na grama
Pode ser na areia molhada
Até mesmo na calçada.
Você nu e eu nua
Quem sabe no meio da rua?
Os carros desviando
E nós dois nos amando...
Você me tocando,
Eu lhe beijando
E a gente rolando...
Molhados de suar
De tanto amar!...
Líquidos jorrando
Por todos os poros,
Até a ponta
Partindo da raiz...
E a gente feliz!



Gladis por Gladis

Nasci em Recreio (MG), sob o signo de Virgem (09/9). Aos 4 anos de idade fui para Mirai(MG) onde passei toda a minha infância e juventude. E que infância!!!! Passeios a cavalo... banhos de cachoeira... todas os fins de semana "footing" na pracinha... ia muito ao cinema que, de vez em quando parava a projeção para trocar o rolo do filme, coisas de cidade de interior, prazeres negados à infância nas cidades grandes!!!! E quando chegava um parque de diversões na cidade? Deus! Que saudade!!!!!
Foi de lá o meu primeiro namorado... o meu primeiro amor... 

Aos 18 anos, interna num colégio de freiras, formei-me Professora e Técnica em Contabilidade, na cidade de Cataguases (MG). Há tempos estive lá. Acabou o internato... agora o colégio é misto...E aquela árvore debaixo da qual eu me sentava toda as tardes... Ah! Aquela "minha árvore" foi cortada para dar lugar à piscina!!! É o progresso... A modernidade.

Vim para o Rio de Janeiro, com minha família, em 1961, e fomos morar na Tijuca.
Meu primeiro trabalho foi na Panair do Brasil, nos escritórios - meus pais não deixaram que eu fosse aeromoça. Depois, Banco de Crédito Real de Minas Gerais de onde sai para o casamento.
Viúva voltei a trabalhar: Laboratório Orthos, BNH (concursada) e com a extinção deste fui para a Caixa Econômica onde me aposentei.

Quando voltei a trabalhar decidi voltar também a estudar: na Faculdade de Relações Internacionais do Rio de Janeiro (não reconhecida) e depois na Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Moraes Júnior (Técnica em Administração de Empresas).

Desde menina gostava de escrever poesias e guardá-las. 
Em 1995, apanhei o meu arquivo (uma caixa de sapatos, toda recoberta com papel para presentes) e separei algumas poesias e, sem ordená-las cronologicamente, publiquei, em 1996, com recursos próprios, meu primeiro livro de poesias "Cacos de Mim" também lançado, em abril/2001, em Lisboa - Portugal.
Em junho de 2001 lancei meu segundo livro de Poesias "aCORda poesia" 

Filiada à APPERJ - Associação dos Poetas Profissionais do Rio de Janeiro. 
Sócia da SEERJ (Sindicato do Escritores do Estado do Rio de Janeiro) 
Eleita, em abril de 2001, Princesa dos Poetas Cariocas 

Participei de várias Antologias:
Perfil de um novo milênio 99/2000, do Caderno de Poesias Oficina 28 e 29;
do Perfil 2001 uma Odisséia Poética; da Oficina Agenda 2001 - Portal do Milênio 
da Antologia Rio 2001; Santa Poesia - Antologia Poética;
X Antologia da ALAP, Antologia Rio 2001.

Vencedora de Concursos relâmpagos na APPERJ com a poesia A ILHA (1º LUGAR) e 2º Lugar
com a poesia MÃOS. 3º lugar no 1º Concurso de poesia da 3ª Idade da Universidade Veiga de Almeida, promovido pela Prefeitura de Mangaratiba - Secretaria de Ação social, em dezembro de 2000. 
Membro da SOLIS - Sociedade Literária do Soneto (Assessora da Presidência.) 
Acadêmica da ALAP - Academia de Letras e Artes Paranapuan, cadeira 17-Patrono Vinicius de
Moraes - onde exerço o cargo de Diretora Cultural. 
Coordenadora do Núcleo de Poesia da RAC (Rede de Agentes Culturais) .
Me apresento em saraus poéticos nas cidades do Rio, Petrópolis, Maricá.
Participei do III Encontro de Escritores em Viçosa-MG. 
Fui eleita em 1999 Diretora Social da ASAS-BNH- Associação dos Antigos Servidores do BNH. 
Participo de Grupos religiosos: PASTORAL DA LUZ (Igreja de São Francisco Xavier na Tijuca) e
PASTORAL DA SAÚDE onde dá plantões no Hospital COPA D'OR prestando assistência
espiritual aos Doentes e familiares e LEGIÃO DE MARIA onde exerço o cargo de Secretária.
 


Se você gostou, escreva para: glacerda@msm.com.br
Ou indique o endereço: www.almadepoeta.com/gladislacerda.htm


Tenha sua Página Pessoal no Alma de Poeta


Clique na imagem acima.


home    galeria de arte    poetas em destaque    poetas 3x4    poetas imortais    colunistas    cinema    concursos

páginas pessoais     agenda poética     poetas no You Tube      fala poesia     oficina virtual      histórico

Clique e entre



Seu site de poesia, arte e algo mais...

www.almadepoeta.com

Alma de Poeta
©Copyright 2000 - 2008
  by Luiz Fernando Prôa
26/07/2008